fotografia

Projeto ELO abre convocatória para exposição de fotografias de famílias negras de Pernambuco

Qualquer família pernambucana negra, indígena ou mestiça pode inscrever sua foto e participar de seleção do projeto que pretende preservar memórias afetivas.

A partir da ultima quinta (8), o projeto ELO: Memória e Afeto abre convocatória para recebimento de fotos de famílias negras, indígenas ou mestiças de Pernambuco. As imagens serão selecionadas  para compor uma pesquisa e exposição fotográfica que tem como centralidade a preservação das memórias afetivas dessas famílias enquanto fontes históricas e de expressão cultural da população negra. A convocatória para o envio de imagens segue aberta até dia 22/04.

Foto: Divulgação
Anúncios

Realizado pelos pesquisadores, artistas audiovisuais e graduandos em Cinema pela Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), Beatriz Lins e Rafael Nascimento, o ELO tem incentivo da Lei Aldir Blanc, por meio da Secretaria de Cultura do Governo do Estado e da FUNDARPE. Podem inscrever uma foto por pessoa no formulário: https://bit.ly/InscricaoProjetoELO.

Por meio de uma curadoria, o projeto selecionará até 20 fotografias para compor a exposição, que será realizada nas redes sociais e em outros espaços virtuais e físicos. Não há restrição de tempo para as fotos e nem de formato, elas podem ser digitais ou analógicas. Os registros devem ser de acervos familiares ou pessoais e ter pessoas negras ou indígenas como protagonistas das imagens.

Anúncios

Cada pessoa pode inscrever apenas uma imagem de sua família e os selecionados e as selecionadas receberão um cachê simbólico no valor de R$ 50 pela utilização da fotografia. O resultado da curadoria será divulgado no dia 28 de abril.

História

O ELO: Memória e Afeto surge como uma adaptação de outros projetos ao momento pandêmico e acaba por trazer novas perspectivas políticas e culturais que podem ser expressas pela maior participação das famílias e suas colaborações. De acordo com Rafael, a primeira ideia do projeto era de realizar ensaios fotográficos, o que foi impossibilitado pela necessidade de distanciamento social. “A gente estava desenvolvendo atividades, pesquisas e outros roteiros e tivemos que fazer algumas adaptações”, conta.

Daí, veio a ideia da iniciativa ser desenvolvida a partir do acervo fotográfico das pessoas, refletindo suas vivências e experiências afetivas. A proposta é que ao falarem de si, as famílias tragam suas subjetividades e narrativas, transformando a estigmatização das representações da população negra na mídia hegemônica e em outros espaços. Possibilitando que o amor e a afetividade também sejam enxergados nessas famílias como em quaisquer outras e também em forma de resistência política.

Nesse contexto, surgiu a convocatória e curadoria de registros familiares e pessoais. “Acho que acontece um sentido duplo. Tanto individualmente o participante vai fazer essa ação de olhar para a sua família e relatar o porquê essa fotografia representa essa afetividade, essa vivência afetiva dessa família que traz essa memória, e ao mesmo tempo a gente se propõe a construir isso de forma mais ampla juntando essas diversas fotografias de diversas famílias com diferentes relatos. Então vai criar a exposição a partir desse mosaico, uma construção maior”, explica Rafael.

Para Beatriz, “lidar com a memória é também uma forma de prolongar o afeto, uma forma de acalentar o espírito coletivo”.  Ela afirma que na ideia dos ensaios as subjetividades viriam muito a partir da visão de quem está organizando o projeto, das pessoas que estão se propondo a fazê-los. Com a adaptação por conta da pandemia, as subjetividades têm mais possibilidades de vir com muitos outros olhares. 

“Revisitar essas fotos e memórias, e falar sobre elas com amor, com afeto é uma forma de nos fortalecer também. Vivemos numa sociedade estruturalmente racista, somos agredidos de diversas maneiras e por isso acreditamos que falar de nós e dos nossos com carinho e respeito, principalmente nessa conjuntura que estamos vivendo, é uma maneira de contribuir com a nossa resistência”, explica.

O formulário de envio de fotos será encerrado às 23h59 do dia 21 de abril.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: