Musica

Luna Vitrolira faz show inédito na Sala Itaú Cultural no fim de semana, que ainda conta com espetáculos de Brisa Flow 

A pernambucana apresenta, pela primeira vez ao público, o disco Aquenda – O amor às vezes é isso, produzido pelo pianista Amaro Freitas e com direção artística de Lira, vocalista da banda Cordel do Fogo Encantado.

Na quinta-feira e sexta-feira (dias 22 e 23), a Sala Itaú Cultural recebe Brisa Flow. A rapper, cujo nome de origem é Brisa de la Cordillera, apresenta o show do disco Janequeo, lançado em junho deste ano. Sábado e domingo, (24 e 25) quem sobe ao palco é Luna Vitrolira, com Aquenda – O amor às vezes é isso. A obra lançada inicialmente como livro e finalista do prêmio Jabuti em 2019,  foi transformada em disco e, depois, em filme, em 2021, marcando a estreia de Luna no universo da música.  

Brisa Flow Foto: Camila Sánchez
Anúncios

Brisa Flow 

Reconhecida na cena alternativa, a rapper mineira  é filha de artesãos Mapuches – nome dado aos povos indígenas da região centro-sul do Chile e do sudoeste da Argentina – e carrega as suas raízes em si, seja no vestuário, na postura ou na sonoridade. Nascida em São Paulo, onde vive, ela leva para o palco da organização composições de Janequeo, seu trabalho mais recente, lançado em junho deste ano. Brisa se apresenta ao lado de Ian Wapichana, no violão e flauta, Victor Prado, na trompa, Loia Fernandes, na percussão, Beatriz Lima, no baixo, e Vênus, no teclado. 

O nome do disco é uma homenagem à heroína homônima do povo Mapuche-Pehuenche, que lutou contra os espanhóis no início colonização. Nas canções, ela também celebra as periferias de São Paulo, onde mora. Por meio do rap, mesclado à música eletrônica e a performatividade, construiu a sua defesa dos direitos e culturas dos povos originários da América do Sul. As mensagens que ela transmite passam pela sexualidade, o amor, a autonomia, a coragem, a ancestralidade e a cultura indígena. 

“Esse disco é sobre narrativas que não sejam só violência e empobrecimento que, infelizmente, é o que nos rodeia. É uma obra para que consigamos ter um pouco de esperança no afeto e na força que temos”, diz Brisa, cuja discografia também inclui Newen, Selvagem Como o Vento e Free Abyala

O repertório que ela preparou para essas duas apresentações no Itaú Cultural passa por canções de toda a carreira, como Etnocídio, Making Luv, Camburi, Bonde das Maloks, Marrona Libre, Besitos, Dentro dos Seus Olhos, Violeta Se Fue, Jogadora rara e Fique Viva

Luna Vitrolira 

Em Aquenda – o amor às vezes é isso,a multiartista une poesia e música em 11 faixas autorais, pianos, sintetizadores, beats eletrônicos e percussões. O resultado é uma sonoridade plural que põe em diálogo suas influências musicais como o jazz, swingueira, brega-funk, funk, rap, maracatu, coco e outros ritmos periféricos insurgentes. O disco tem produção e direção musical do pianista Amaro Freitas. 

Luna Vitrolira Foto: Rennan Peixe
Anúncios

O show apresenta o repertório completo do disco, levando para o palco a autenticidade da artista, integrando música, luz, dança, poesia e performance. No palco, ela é acompanhada por Beto Xambá e Johann Bremmer nas percussões; Miguel Mendes nos sintetizadores e baixo; Diego Drão nos teclados, e Elaine Barbosa e Anne Costa, no corpo de dança. O show conta ainda com a direção artística de Lira, vocal do Cordel do Fogo Encantado, e Vitória Vatroi, artista visual. 

O projeto aborda questões relacionadas ao amor, discutindo temas que envolvem a relação histórica entre as mulheres e o povo negro em diáspora com a sociedade e o sagrado ancestral. Em sua narrativa, o trabalho traz para o protagonismo temas como racismo, solidão e invisibilidade das mulheres negras, suscitando questões como o feminicídio, violências de gênero, abuso, estupro, aborto, gordofobia, diversidade, liberdade, cura, prazer feminino e o corpo.  

O projeto aborda questões relacionadas ao amor, discutindo temas que envolvem a relação histórica entre as mulheres e o povo negro em diáspora com a sociedade e o sagrado ancestral. Em sua narrativa, o trabalho traz para o protagonismo temas como racismo, solidão e invisibilidade das mulheres negras, suscitando questões como o feminicídio, violências de gênero, abuso, estupro, aborto, gordofobia, diversidade, liberdade, cura, prazer feminino.

Anúncios

SERVIÇO: 

Brisa Flow 

Dias 22 e 23 de setembro (quinta-feira e sexta-feira, às 20h) 

Ingressos: https://itaucultural-eventos.byinti.com/#/event/rubi   

Sala Itaú Cultural 

Capacidade: 224 lugares  

Entrada gratuita 

Classificação: livre  

Luna Vitrolira 

Dias 24 e 25 de setembro (sábado, às 20h, e domingo, às 19h) 

Ingressos: https://itaucultural-eventos.byinti.com/#/event/assucena 

Sala Itaú Cultural 

Capacidade: 224 lugares  

Entrada gratuita 

Classificação: livre  

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: