Musica

Linn Da Quebrada reverbera nova sonoridade em seu segundo disco de carreira, Trava Línguas

Trabalho tem patrocínio da plataforma Natura Musical.

“quem soul eu?” perguntou um dia Linn da Quebrada ao mirar-se no espelho. Ela, que já enviadesceu, foi bixa preta, mulher e bixa travesty, encarou seu reflexo bem de perto e de um jeito diferente. Mirou a si mesma com um olhar nu e de alma crua. “quem soul eu?”, repetiu. E naquele instante soube que para se descobrir, Linn precisaria descobrir não só de onde vinha, mas onde estava. E para onde almeja ir. Seu novo disco, Trava Línguas (Natura Musical) é o ponto de intersecção entre todas essas indagações e suas 11 faixas apresentam-se como as diferentes possibilidades de fuga e reencontro de Linn consigo mesma. Como um espelho multifacetado, Linn está projetada nos mínimos detalhes ao longo de todo o álbum, cuja produção musical foi compartilhada entre ela, a produtora e DJ BADSISTA e a percussionista Dominique Vieira.

Foto: Wallace Domingues
Anúncios

“Com Trava Línguas proponho uma conversa franca com o mercado: quem eu soul nesse sistema? Os algoritmos, os rótulos, os gêneros… Onde é que vocês vão me colocar agora? Onde eu vou me colocar agora? Trava Línguas é minha tentativa de subverter os cálculos desse jogo com base na ancestralidade. Pois, se tudo que existe hoje em dia foi imaginado primeiramente em algum momento passado, então que este disco evoque a ‘plantação cognitiva’ de que nos fala Jota Mombaça: com Trava Línguas eu desejo o plantio de novos mecanismos. Mecanismos de mercado, de narrativas, de consumo. Mecanismos mais saudáveis e sobre os quais espero colher cada vez mais, no futuro e no coletivo”, explica a artista sobre um dos conceitos primordiais que marcam este novo momento de sua carreira.

Para a produtora musical BADSISTA, sonoramente falando Trava Línguas reforça essa ideia conceitual surgindo como um fruto espontâneo dessa parceria que ela e Linn mantém desde Pajubá, disco de estreia de Linn e que foi produzido por BADSISTA, sendo lançado de modo independente em 2018.

Anúncios

“Naquela época estávamos descobrindo muitas coisas, e estávamos revoltadas com tantas outras… Era grande a vontade de gritar, causar impacto. As letras da Linn vinham carregadas do texto que ela queria falar, sobre vivências passadas. E eu, como sempre, queria criar tendência, ser descoladona no meu jeito de produzir. Acho que agora temos o pé mais fincado no chão, a ponto de encarar essa mudança estética. Encarando outros momentos da vida, ficando mais velhas, acho que condiz com essa vontade do agora de fazer algo que nossas mães gostem também”, completa BADSISTA.

Em Trava Línguas, Linn traz dois feats.: Luiza Nascim, em “dispara” e Ventura Profana, em “eu matei o júnior”. Das onze faixas que compõem o repertório do disco, sete são de autoria da própria Linn da Quebrada. As exceções são: “amor amor”, que foi escrita por Castiel Vitorino Brasileiro; “dispara”, que traz composição de Luiza Nascim e Dominique Vieira, além da própria Linn; “medrosa”, que trata-se originalmente de falatórios de Stela do Patrocínio (in memoriam); além de “pense & dance”, que é assinada por Linn e Rodrigo Polla.

“Todas essas vozes que convidei para Trava Línguas impulsionam minha voz, me movem & me comovem para outras direções. Estamos rompendo com lugares de enclausuramento a partir de nossas próprias carreiras, que se atravessam e se entrelaçam”, celebra a artista, que já adianta: “Trava Línguas começa agora, mas ainda encontra-se incompleta. É uma obra que também terá sua potência audiovisual explorada, um projeto especial que encontra-se em fase de produção por hora. Me ouçam e me olhem de novo. Esperem. Ainda tenho mais histórias para resgatar”, nos convida Linn.

Foto: Wallace Domingues

Trava Línguas foi selecionado pela plataforma Natura Musical, através do Edital Natura Musical 2020, ao lado de nomes como Bixarte, Bia Ferreira, Juçara Marçal, Kunumi MC, Rico Dalasam. Ao longo dos 16 anos, a Natura Musical já ofereceu recursos para mais de 140 projetos no âmbito nacional, como Lia de Itamaracá, Mariana Aydar, Jards Macalé e Elza Soares.

“Os projetos selecionados por Natura Musical têm o potencial de gerar impacto positivo, porque contribuem para que o ecossistema ao seu redor se desenvolva. Os artistas, bandas e projetos de fomento à cena são capazes de reverberar reflexões sociais importantes para o momento atual”, afirma Fernanda Paiva, Head of Global Cultural Branding.

Ouça agora o disco já disponível nas plataformas digitais, clique e ouça.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: