Sem categoria

Uma Karol, Muitas Questões

Ao assumir um novo relacionamento em uma de suas redes sociais com um homem branco, a rapper Karol Conká foi alvejada pelo comentário de Pretos dentro e fora do Movimento Negro. Diante dos avanços das agendas políticas do povo Preto e da positivação do relacionamento afrocêntrico, qual o lugar da 'Palmitagem' em nossos debates?

No dia 04 de agosto de 2019, a rapper Karol Conká postou em sua conta oficial do Instagram uma foto com o novo companheiro, produtor musical e guitarrista – e branco – Thiago Barromeo. A ‘palmitagem’ – expressão pejorativa para o movimento negro referente as relações inter-raciais – foi logo apontada em críticas ácidas destinadas a cantora. Nos comentários, a percepção de um descompasso entre a mensagem política de suas músicas, focada na valorização da Negritude/Pretitude e de suas conquistas enquanto mulher Preta, e a prática desta valorização. Em uma breve menção a Frantz Fanon e a dois textos ácidos da internet, construo essa reflexão sobre movimentos sociais, discurso e valor mercadológico, punitivismo e as complexidades de se pensar os afetos dos Pretos na atualidade.

Emerson Soares

Este texto nasce a partir de um outro. Na proposta original, eu pensava, por meio da obra de Frantz Fanon, sobre o debate do mais novo relacionamento amoroso-afetivo da rapper Karol Conká. Decidi deixa-lo de lado, para construir este outro, talvez um pouco mais condensado e com as principais ideias que eu gostaria de pontuar.

Aquele texto foi uma produção realizada com muito cuidado. Ao passo em que eu a construía, lia a opinião e a manifestação de outras pessoas Pretas na internet. Duas reflexões me chamaram mais a atenção, pela sua acidez e por seu olhar muito menos descrente na análise do significado deste relacionamento do que o meu próprio. Admiro muitas características em minha escrita, mas a acidez – por vezes, necessária – é uma coisa que me falta.

Decidi construir este terceiro pensamento – porque antes do supostamente oficial, havia um rascunho. Apesar de acreditar que alguns aspectos de vigilância, que não são saudáveis, permeiam a prática militante e política dos movimentos sociais em geral, em alguns casos as pontuações feitas por indivíduos – da sua rede de conexões das mídias sociais digitais, como foi o meu caso – podem aguçar sua percepção em torno de um problema. Então, mesmo com todas as minhas ressalvas quanto ao exercício político vigilante-punitivo, em certos momentos ele pode ser positivo.

Antes que eu pudesse chegar a estas palavras, tentei entender qual o local do movimento negro em problematizar esta relação. Começo a discussão daqui – também muito baseado em um outro texto que vi na Internet.

Em determinados momentos de ‘crise’ ideológica como o que notamos com o novo relacionamento da rapper paranaense, é que percebemos o quanto as nossas prioridades e agendas políticas podem se esvaziar facilmente. O clipe de ‘Tombei’ da artista foi lançado no Canal Kondzilla em 18 de março de 2015. A música e a mensagem visual do videoclipe foram predecessoras para um movimento que se alastraria por um bom tempo, capitaneado pela Geração Tombamento.

O marco que Karol Conká atingia com o single era de grande proficuidade na juventude negra e nas gerações mais novas que se empoderaram ao som dele. Tombei, o single, e o Tombamento, desta geração, abriram um terreno para discutirmos as estéticas Pretas. Como estamos, como nos posicionamos visualmente. Quando, onde e como são os nossos cabelos. A mensagem era de que poderíamos ser potentes por meio do corpo, e visualizar uma artista negra convicta no posicionamento de autoaceitação era combustível para os consumidores de sua imagem.

O mais primordial entrave, dentre alguns, que enxergo nisto tudo, é justamente a lógica mercadológica perversa que engendra as nossas maneiras de consumir o pensamento político. De Tombei para cá, sabemos a visibilidade de mercado que a população Preta ganhou enquanto consumidores. E isto não é negativo, mas percebo que talvez tenhamos estancado nesta pauta – até o momento atual, e por tempo demais.

A cultura é meio essencial para gerarmos transformações, mas quando encontramos todo uma indústria por detrás capaz de nutrir os discursos, eles tendem a se esvaziar. Penso que a estética, tal como foi pautada no movimento negro e ainda o é, de forma extremamente criativa e corajosa, deve ser uma porta de entrada para a compreensão de nossa Pretitude/Negritude como um todo, e não o ponto final.

O aspecto de ‘consumo do discurso’ nos fere bastante, também, porque estamos falando de figuras públicas e de pessoas Pretas. Na tentativa de construir a nossa própria realidade e nossas próprias cadeias de pensamento, nos encontramos nas entrelinhas dos resquícios do passado e das mobilizações do presente. E neste sentido, depois de ler o pensamento de outros Pretos, percebo de onde vem esta indignação.

Nessa carga histórica e simbólica que as relações inter-raciais carregam, será que conseguiremos caminhar para um estado de sociedade no qual enxergamos estas relações como não tão problemáticas? No caso de Karol Conká, nos vem a sensação de um ciclo sem fim. Alguns poucos de nós se apoderam, ganham visibilidade midiática, se tornam referências para o movimento, e a ‘palmitagem’ é carta certeira para estragar tudo e para manchar a imagem.

Parece que estamos em um ciclo de reprodução da mensagem de que Pretos só são bons na ‘lacração’ (não vou aprofundar também este termo, porque já foi bastante estigmatizado e esvaziado) e, na vida comum dos afetos, quem desejamos é o branco.

Dentre as coisas que Frantz Fanon fala em seu texto que trouxe para dentro da outra reflexão, é sobre o sentimento de Outro que um personagem literário – Preto e imigrante, em terras europeias –, por ele analisado, sentia em relação a sua amada branca. Novamente, parece que repetimos ciclos e a mensagem que estamos circulando entre nós mesmos é de que somos os Outros uns dos outros.

O conceito de Outro é um conceito muito explorado acadêmica e intelectualmente nas nossas disputas epistemológicas dentro do campo dos conhecimentos universitários, pedagógicos e educacionais. Tem a ver também com Lugar de Fala, mas este disseco melhor em um outro momento. Os Outros são todos aqueles que não são o sujeito dito ‘universal’ – para fins de síntese, vou me reter a figura do homem e branco.

Os abandonos e solidões afetivas são situações comuns nas vidas afetivas de homens Pretos e mulheres Pretas de forma geral. E estamos lutando para que estes afetos sejam semeados e circulados entre nós, o que é muito positivo. Como disse anteriormente no texto, consumir discursos de forma massificada tal qual estamos fazendo deve ser uma semente para a nossa construção crítica, e não nossa âncora.

E parte desta criticidade exige que nós tentemos construir a mudança nas nossas próprias realidades, sem o punitivismo para com o comportamento do outro – e este pensamento deve ser aprofundado principalmente quando se trata de figuras públicas. Este debate não se encerra com o meu texto, e tampouco tem respostas enclausuradas e perfeitamente moldadas.

Mas, definitivamente, precisamos pensar a relação entre povo Preto e os espaços midiáticos, sobre culpabilização como antagônico do discurso político, e sobre o que queremos realmente para nós – olhares atentos, cuidadosos e lúcidos para como construímos nossos afetos, ou obrigatoriedades para assinalarmos uma lista de obrigações para com nossas militâncias.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

Este site utiliza o Akismet para reduzir spam. Saiba como seus dados em comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: